Sua personalidade pode mudar dependendo da lingua que você fala

https://www.soloidiomas.com.br/wp-content/uploads/2021/02/Personalidade-e-lingua-1280x1280.jpg

No livro Me Talk Pretty One Day, o humorista David Sedaris relata que aprendeu a falar francês quando adulto com um instrutor cruel. Atrapalhado em suas tentativas de dominar a nova língua, ele se sente impotente e vulnerável – quase como uma pessoa completamente diferente.

Qualquer pessoa que assumiu o desafio de aprender um novo idioma provavelmente pode se identificar. Mas é mais do que apenas um sentimento: a pesquisa sugere que nossas personalidades realmente podem mudar dependendo do idioma que falamos.

Margarita, uma imigrante russo-americana, foi para os Estados Unidos aos 19 anos para escapar do anti-semitismo na ex-União Soviética. Hoje, suas experiências com ambas as culturas parecem ter influenciado a maneira como ela se sente quando fala cada idioma.

Quando ela fala russo, ela diz, ela se sente “protegida, reservada, desconfortável”. Mas quando ela fala inglês, ela se descreve como “curiosa”, “extrovertida” e “livre”.

Da mesma forma, Tony, que cresceu falando inglês e espanhol e passou a aprender francês, diz que quando fala francês se sente “sofisticado, elegante, suave”. Sua opinião sobre o povo e a cultura franceses? “Inteligente, elegante, admirável.”

Na verdade, a pesquisa sugere que nossas percepções da cultura associada a um determinado idioma podem impactar nosso comportamento. Um estudo de 2006  liderado por Nairan Ramírez-Esparza, professora assistente de psicologia social na Universidade de Connecticut, e seus colegas, pediu a mexicanos-americanos bilíngues que fizessem um teste de personalidade em inglês e espanhol. O teste mede os “Cinco Grandes” traços de personalidade: extroversão, afabilidade, franqueza, consciência e neurose.

O estudo descobriu que os sujeitos pontuaram mais alto em extroversão, amabilidade e consciência quando fizeram a versão em inglês do teste. Os autores especulam que isso pode refletir o fato de que as culturas individualistas (como a dos EUA) valorizam muito a assertividade, a realização e a simpatia superficial, ao passo que é menos importante cantar seus próprios elogios em culturas coletivistas (como a do México).

Como seguimento, em um artigo ainda não publicado, Ramírez-Esparza e colegas pediram aos participantes que escrevessem uma descrição de 15 minutos de suas personalidades. Eles descobriram que, enquanto escreviam em espanhol, os sujeitos mexicano-americanos falavam de si mesmos em relação a suas famílias, relacionamentos e hobbies. Em inglês, eles falaram de suas realizações, faculdade e atividades diárias. Ramírez-Esparza atribui as mudanças na personalidade e o enfoque diferente nos valores à maneira como a linguagem “estimula” o comportamento.

“A língua não pode ser separada dos valores culturais dessa língua”, diz ela. “Você se vê através dos valores culturais do idioma que está falando.” Faz sentido que esse efeito seja sentido de forma particularmente forte por pessoas que são biculturais, bem como bilíngues, porque elas têm uma base sólida em múltiplas culturas.

Também é possível que nossas percepções de nossas próprias personalidades mudem porque percebemos como as pessoas reagem a nós quando falamos línguas diferentes. Afinal, identidade é “seu senso de identidade, mas também como você sente que os outros estão percebendo você e como isso afeta como você pode projetar quem você é”, diz Carolyn McKinney, professora de estudos de linguagem e alfabetização na Universidade de Cape Cidade. E então você pode se ver como um profissional confiante e equilibrado ao falar seu inglês nativo na frente de uma multidão e observar o público ouvir cada palavra sua  e então se sentir como um idiota desajeitado ao conduzir uma reunião em alemão para iniciantes.

“No minuto em que você fala com alguém, você está se envolvendo em uma negociação de identidade”, diz Bonny Norton, professora de idiomas e alfabetização da British Columbia University. “‘Quem é Você? Onde você está? Como me relaciono com você? Como você me vê? ‘Então, quando alguém diz que sua personalidade muda, o que eles estão dizendo é:’ Quando eu falo com outras pessoas, minha personalidade muda. ‘”

Também pode ser que o contexto no qual você aprende uma segunda língua seja essencial para o seu senso de identidade nessa língua. Em outras palavras, se você está aprendendo a falar mandarim enquanto vive na China, as observações em primeira mão que você fizer sobre as pessoas e a cultura durante esse período serão incorporadas ao seu senso de identidade como falante de mandarim. Se você está aprendendo mandarim em uma sala de aula nos Estados Unidos, provavelmente incorporará as crenças e associações de seu instrutor com a cultura chinesa junto com as suas – mesmo que essas crenças sejam baseadas em estereótipos.

E se você aprender um idioma sem nenhum tipo de contexto, isso pode não afetar muito a sua personalidade. “É discutível”, Jill Hadfield, professora de estudos de idiomas do Unitec Institute of Technology na Nova Zelândia, escreve em um e-mail, “que se você só usa um idioma para traduzir ou preencher lacunas em frases descontextualizadas como ‘O a caneta da minha tia está sobre a mesa, ‘você não desenvolverá uma identidade [em um segundo idioma] ”.

Para as pessoas que estão aprendendo um idioma associado a uma cultura que admiram, esse é mais um motivo para mergulhar nela. Seja fazer uma viagem ao exterior, assistir a filmes na língua que escolher, encontrar uma escola com aulas particulares do idioma vai te ajudar a aprender sobre o país, tradições ou todas as opções acima. Quando você aprende um novo idioma, você não está apenas memorizando o vocabulário e as regras gramaticais – você também tem a chance de explorar novas partes de sua identidade.

Encontre-nos
Rua Pio XI, 377 Alto da Lapa – SP
Segunda - Quinta: 07:00 - 22:00
Sexta: 07:00 - 21:00
Sábado: 09:00 - 12:00

© Solo Idiomas todos os direitos reservados. Desenvolvido por TKM TEC.

Abrir o chat
Abrir whatsupp